PREFEITURA ALERTA PARA A PREVENÇÃO CONTRA QUEIMADURAS E ACIDENTES DOMÉSTICOS COM CRIANÇAS

Com a chegada dos meses de junho, julho e agosto, as festas juninas, quermesses e outros eventos que costumam contar com fogueiras, fogos de artifícios e bebidas quentes podem oferecer alguns riscos para adultos e crianças, já que muitos acidentes domésticos, queimaduras e perda de membros como dedos, mãos e outros acontecem nessas ocasiões. No Brasil, o dia 6 de junho ficou instituído como o ‘Dia Nacional de Luta Contra Queimaduras’, por meio da lei de nº 12.026/2009, com a finalidade de divulgar medidas preventivas necessárias à redução da incidência de acidentes envolvendo queimados.

Em Mairiporã, a prefeitura visa alertar pais nos cuidados, fortalecendo a consciência e a cultura da prevenção. Além disso, na cidade já existe uma lei municipal de nº 3.929 de julho de 2020, que institui a ‘Lei Lucas’, dispondo a obrigatoriedade da realização de cursos de primeiros socorros por professores e funcionários que tenham contato direto com as crianças de creches e escolas, tanto da rede pública quanto a rede privada de ensino inseridas no território de Mairiporã.

Já o governo federal, com base no Relatório Mundial sobre Prevenção de Acidentes com Crianças e Adolescentes, publicado em dezembro de 2008 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), estima que cerca de 630 mil crianças vão a óbito anualmente vítimas de acidentes, criou uma cartilha com dois eixos, sendo um de prevenção e outro de primeiros socorros.

A cartilha alerta para ações que podem ser evitadas com os acidentes domésticos, já que as lesões, seja no trânsito, envenenamento, afogamento, quedas, queimaduras e outras, estão entre as principais causas de mortes entre crianças e adolescentes no Brasil. “Com a pandemia causada pelo Coronavírus, os pais ficaram com os filhos fechados em casa, pensando ser um ambiente seguro, porém nem sempre estar em casa é plenamente seguro se não tomarmos algumas medidas de cautela e prevenção”, alerta o secretário nacional dos direitos da criança e do adolescente.

EIXO PREVENTIVO:

NA COZINHA: Use as bocas de trás do fogão e certifique-se de que os cabos das panelas estejam virados para dentro, para não serem alcançados pelas crianças; Mantenha fósforos, isqueiros, álcool líquido, álcool em gel, objetos de vidro e cerâmica, facas e sacos plásticos fora do alcance das crianças; Cuidado no uso de toalha comprida na mesa de jantar, pois as crianças podem puxá-la e, se houver algo em cima, como líquidos e alimentos quentes, isso pode cair em cima dos pequenos e causar graves queimaduras.

BRINCADEIRA NA GARAGEM: Ao manobrar o carro, certifique-se de que não há nenhuma criança por perto; Lembre-se de trancar o veículo, especialmente o porta-malas. Mantenha as chaves e controles automáticos longe do alcance das crianças, já que elas podem entrar no veículo, soltar o freio de mão ou mesmo ficarem presas dentro.

RISCOS NO QUARTO: Evite posicionar camas e qualquer outros móveis perto de janelas. Eles podem ser usados para escalar; Fixe à parede os móveis que apresentam risco de tombamento, como cômodas e armários; É importante instalar redes ou grades de proteção nas janelas; Sempre verifique a certificação dos brinquedos, pois ela visa evitar possíveis riscos que, mesmo não identificados pelo público, podem surgir no uso normal ou por consequência de uso indevido do brinquedo. Assim, ao escolher brinquedos, considere a idade e a habilidade da criança e busque sempre o selo do Inmetro; Periodicamente, realize uma inspeção nos brinquedos das crianças para verificar seu estado e se eles não apresentam riscos aos pequenos.

NA HORA DO BANHO: Nunca deixe a criança tomando banho, principalmente na banheira, sem supervisão de um adulto; Antes do banho da criançada, examine a temperatura da água para evitar queimaduras; Procure manter medicamentos, vitaminas, produtos de higiene e de beleza longe do alcance das crianças, para evitar intoxicação; Guarde lâminas de barbear, tesouras, secadores de cabelo e demais objetos que possam ferir ou queimar a criança.

CUIDADOS PELA CASA: Nos demais cômodos da casa instale grades ou redes de proteção em janelas, sacadas e mezaninos; Proteja tomadas com tampas, fita isolante ou mesmo móveis; Tenha certeza de que o piso está livre de objetos pequenos (botões, colar, brincos, bolas de gude, moedas, etc.), pois, nessa fase do desenvolvimento, quase tudo que a criança pega vai à boca; Use protetores para os móveis com quinas afiadas; Fixe à parede televisores e móveis que possam tombar sobre a criança.

DE OLHO NA HORA DE BRINCAR NA PISCINA: Quando a criançada for usar a piscina, a supervisão de um adulto o tempo todo é essencial; É importante que na piscina tenha algum adulto capacitado para atendimento de primeiros socorros; Esvazie piscinas infantis após o uso e guarde-as longe do alcance das crianças; Sobre o uso de equipamentos de segurança: crianças com menos de quatro anos devem sempre estar usando um colete salva vidas de tamanho apropriado; Evite brincar de empurrar, dar “caldo” dentro da água ou simular que está se afogando.

NO QUINTAL: Informe-se sobre quais plantas são venenosas para crianças. Se em sua casa houver alguma dessas espécies, remova-a ou deixe-a em local inacessível para as crianças; Importante ficar atento também ao que a criança coloca na boca. Um jardim reserva muitos atrativos e um descuido pode prejudicar a saúde dos pequenos; Brincadeiras com água são divertidas, mas uma poça no meio do jardim pode esconder perigos, principalmente se estiver por lá há muito tempo. Portanto, tenha atenção redobrada nessas situações; cuidado com animais peçonhentos. Sempre preste atenção antes de calçar sapatos ou usar bolsas e sacolas.

PRODUTOS DE LIMPEZA: Após utilizar baldes e bacias, esvazie-os, guarde-os virados para baixo e longe do alcance das crianças; Produtos de limpeza devem ser guardados em lugares altos ou trancados; Mantenha os produtos de limpeza em seus recipientes originais para não confundir as crianças. Por alguns serem coloridos, elas podem pensar que é suco ou refrigerante e acabar ingerindo; Não reutilize as embalagens vazias para armazenar outro tipo de material; Não dê o frasco vazio à criança como brinquedo. Ela provavelmente levará à boca, o que pode causar intoxicação, mesmo que tenha uma pequena quantidade do produto.

EIXO PRIMEIROS-SOCORROS:

Engasgo e asfixia: O engasgo ocorre quando algum alimento ou um objeto bloqueia as vias respiratórias, impedindo a respiração. Se a obstrução for parcial e a criança conseguir falar e respirar parcialmente, estimule-a a tossir com o intuito de expelir o que está causando o engasgo. Se a obstrução for total, poderá ser necessário executar a manobra de heimlich.

Sinal comum de engasgo; Ajoelhe na altura da criança e a abrace por trás; Feche a mão e a posicione com a parte do polegar acima do umbigo; Execute compressões abdominais de baixo para cima, em “formato da letra j”, até que a criança consiga expelir o objeto ou perca a consciência; Caso a criança fique inconsciente: inicie a reanimação cardiopulmonar até a chegada ao hospital ou do serviço de emergência. Com a criança de barriga para cima em uma superfície rígida, encontre a posição no meio dos mamilos; » Apoie o dorso da mão na posição encontrada; Sobreponha a outra mão e entrelace os dedos, iniciando as compressões.

EM BEBÊS: Deve-se colocar a criança com a barriga para baixo em seu antebraço, sem que a mão tape a boca do bebê; Deixe a cabeça do bebê mais baixa que o corpo e bata cinco vezes entre as escápulas com o dorso da mão; Gire o bebê e faça a inspeção da cavidade oral, caso visualize algo, retire. Não faça buscas às cegas. É preciso cuidado para não introduzir ainda mais o objeto na garganta do bebê. Ainda mantendo a cabeça mais baixa que o tronco, efetuar cinco compressões torácicas com dois dedos na linha dos mamilos; Repetir os procedimentos até a desobstrução ou perca da consciência. Estando consciente: lateralize e acalme; Caso o bebê fique inconsciente: inicie a reanimação cardiopulmonar até a chegada ao hospital ou do serviço de emergência. Nos bebês, a compressão deve ser feita com dois dedos no tórax, na linha dos mamilos; Faça compressões torácicas até a chegada ao hospital ou do serviço de emergência. Considerações: Ligue 193 (corpo de bombeiros militares) ou 192; Apesar da situação difícil, procure manter a calma.

QUEIMADURAS: As queimaduras em crianças podem ocorrer por diversos fatores, com bebidas e alimentos quentes, água muito quente na hora do banho —principalmente os bebês, que possuem a pele sensível —, tomadas sem protetores, fios ao alcance das crianças, brinquedos nos parquinhos — principalmente os que possuem partes metálicas expostas ao sol. As queimaduras são classificadas em: Primeiro Grau: que danificam somente a camada mais externa da pele, deixando a pele vermelha, e podem causar um leve inchaço. Segundo Grau: provocam bolhas e um inchaço maior, sendo bastante doloridas. Terceiro Grau: afetam a camada mais profunda da pele. Caracterizam-se por pouca dor, devido a destruição das terminações nervosas, pele seca, dura, escurecida ou esbranquiçada, ladeada por áreas de vermelhidão.
PRINCIPAIS AGENTES CAUSADORES DE QUEIMADURAS: Líquidos superaquecidos; Combustível; Chama direta; Superfície superaquecida; Eletricidade; Agentes químicos; Agentes radioativos; Radiação solar; Frio; Fogos de artifícios.
COMO PROCEDER: No caso de queimaduras térmicas, resfriar a área queimada o mais rápido possível; Cobrir as regiões queimadas com curativo; Transportar para o hospital, se necessário. A criança deve ser encaminhada para o hospital quando a queimadura for: » No rosto, nas mãos ou nos órgãos genitais; Em uma área extensa (maior que o diâmetro de uma bolinha de pingue-pongue); Resultado de um choque elétrico. Considerações: » Não passar nenhum tipo de produto no local; Nunca estourar as bolhas; Retirar anéis, pulseiras, relógios ou similares; Se a criança estiver em chamas, deitar no chão, rolar e abafar, se possível, com um cobertor.

INTOXICAÇÃO: As intoxicações ocorrem em consequência da ingestão, inalação ou contato de determinadas substâncias com a pele, por exemplo: plantas tóxicas, alimentos contaminados, produtos de limpeza, remédios, soda e inseticida. Podem causar irritação nos olhos, garganta e nariz; Salivação abundante; Vômito; Diarreia; Convulsões; Asfixia; Tontura e sonolência. Em caso de intoxicações, o recomendado é identificar o agente causador da intoxicação e solicitar atendimento especializado. Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6601.

CHOQUE ELÉTRICO: A passagem da corrente elétrica pelo corpo serve de caminho para a corrente elétrica. Ele pode causar queimaduras, arritmias e até mesmo a morte. Deve-se lembrar que a água torna o choque mais perigoso e que a corrente elétrica passa por vários corpos que estiverem em contato.
COMO PROCEDER: Antes de socorrer a vítima, interromper a corrente elétrica. Quando isso não for possível, chamar a central elétrica ou o corpo de bombeiros militar. Jamais tocar em fios elétricos com as mãos ou tocar na vítima logo após o choque, espere alguns segundos; Se for necessário interromper o contato da vítima com a fonte elétrica, usar um cabo de vassoura ou outro material isolante. Verificar se o calçado usado tem solado de borracha; Após verificar todas as medidas de segurança, observar se a criança respira. Caso não respire, inicie a reanimação cardiopulmonar (apenas compressões torácicas); Ligue para 193 (corpo de bombeiros militar) ou 192 (Samu).

CONVULSÕES: As convulsões são contrações violentas, incoordenadas e involuntárias de parte ou totalidade dos músculos, provocadas por doenças neurológicas e não neurológicas.
CAUSAS: traumatismo na cabeça, intoxicações, epilepsia e febre alta.
COMO PROCEDER: Proteja a criança de qualquer perigo, afastando objetos ao seu redor; Mantenha a tranquilidade e afaste curiosos; Proteja a cabeça da criança. Retire óculos, caso tenha; Lateralize a cabeça da criança para evitar que aspire secreções e afrouxe suas vestes; Acione o serviço de emergência. Ligue para 193 (corpo de bombeiros militar) ou 192 (Samu). CONSIDERAÇÕES: Não realizar manobras intempestivas durante a crise, como forçar a abertura da boca, tentar introduzir objetos na boca, imobilizar os membros; Administrar medicamentos na hora da crise; No caso de convulsão febril deve-se, além de adotar os cuidados gerais, baixar a temperatura com a aplicação de compressas frias no pescoço, axilas e virilha; Encaminhar a criança para o hospital.

FRATURAS: A fratura ocorre quando o osso perde sua continuidade. As fraturas podem ser abertas ou expostas, quando a pele é rompida e é possível ver o osso; Fechadas ou simples, quando a pele não se rompe. Em ambos os casos, é fundamental o acionamento do socorro especializado – Ligue para 193 (Corpo de Bombeiros Militar) ou 192 (Samu).
COMO PROCEDER: Se possível, imobilize provisoriamente a região acometida na posição encontrada, para evitar a movimentação dos fragmentos ósseos; Em caso de fraturas expostas e caso haja hemorragia, é necessário tentar controla-la com um pano limpo, que deve ser colocado sobre o local e pressionado; Transporte a criança para um pronto socorro ou aguarde uma equipe especializada.
CONSIDERAÇÕES: Não tente colocar o osso no lugar, pois isso pode agravar o quadro; Lembre-se que fraturas na região das costas e pescoço necessitam de mais atenção, sendo que a movimentação só deve ser feita por profissionais especializados.

DESMAIOS: Desmaios são quedas causadas por estado de inconsciência repentina. Na criança pode acontecer devido ao calor, desidratação ou esforço físico, longos períodos sem ingerir alimentos, cansaço e emoções muito fortes.
COMO PROCEDER: No momento que a criança começou a desfalecer, tente segurá-la antes que caia e ajude-a a sentar-se numa cadeira, peça que respire profundamente até que o mal-estar passe; Mantenha a tranquilidade e afaste curiosos; Afrouxe as vestes da criança; Com a criança deitada no chão, coloque-a em posição lateral para que não se engasgue; Caso a criança não recupere a consciência em alguns minutos, acione o serviço de emergência. Ligue para 193 (corpo de bombeiros militar) ou 192 (samu).
CONSIDERAÇÕES: Enquanto a criança estiver desacordada, nunca ofereça algo para cheirar, beber ou comer; Não sacudir a criança, nem dar tapas no rosto com o intuito de acordá-la; Não jogar água na criança.

HEMORRAGIA: É o extravasamento de sangue provocado pelo rompimento de vaso sanguíneo. Dependendo da gravidade pode provocar a morte em alguns minutos. O controle da hemorragia, portanto, é prioridade.
COMO PROCEDER: Comprimir diretamente o local usando compressa com gaze ou um pano limpo. Pode-se fazer um curativo compressivo usando compressas ou faixas elásticas; Em se tratando de grandes hemorragias, torna-se extremamente necessário o acionamento de uma equipe especializada. Ligue para 193 (corpo de bombeiros militar) ou 192 (Samu); Transporte a criança para um pronto socorro ou aguarde uma equipe especializada.
CONSIDERAÇÕES: Durante todo esse processo deve-se manter a criança calma e acordada, não oferecer comida ou bebida e mantê-la aquecida; Em casos de hemorragias nasais (sangramentos no nariz), deve-se manter a cabeça reta, comprimir a narina que sangra com os dedos e não assuar; Caso o sangramento não cesse, deve-se acionar o atendimento especializado.

 

CONFIRA A CARTILHA ATRAVÉS DO LINK https://shre.ink/tgB OU BAIXE O ARQUIVO CLICANDO AQUI.

Acesso Rápido

Skip to content